domingo, 3 de junho de 2012

1500 novidades!

O meu pc anda marado e é raro me deixar aceder à net, principalmente ao blogger, daí a minha ausência.

O fim-de-semana de 18-19-20 do mês passado, foi passado com a S. aqui dos blogs. Foi fantástico, fizemos todas a refeiçoes, andámos, fizemos parvoíces (saudáveis) e, fantástico dos fantásticos, organizámos um almoço para nós e a família dela que correu muito bem, humildade à parte :P

Na 2ª feira (dia 21), tive psicóloga. Ia eu toda contente, porque a vida me estava a correr maravilhosamente bem (idas à praia sem neuras; nao passei fome; nao comi o mundo; explicaçoes no bom caminho; vida social; e por aí fora), quando a mulher me dá a volta à cabeça (porque tinha perdido peso 45.400) e acabo por sair de lá mais triste que sei lá o quê e sem perceber muito bem o que tinha acabado de acontecer.
Na viagem de regresso a Faro (quando me farto de pensar em tudo e em nada) enviei uma msg à psicologa a pedir consulta de nutricionista e tal pq nao tinha muitas dúvidas e precisava de orientação. Pus ainda a possibilidade de ela ter razao e eu estar feliz da vida pq tinha um "corpo emagrecido" (vendo bem as coisas e resumindo por palavras mais simples, pedi ajuda. Acho eu.) Inspirei fundo e voltei a sentir-me confiante.

No dia a seguir, a minha "espécie de bipolaridade" deu novamente de sinais de vida e andei a dar voltas à cabeça para tentar encontrar formas de bazar deste mundo mas de vez. Entrei em pânico comigo mesma e enviei nova mensagem à psicóloga a dizer k nao me estava a sentir bem e que não sabia porquê. "Se precisares, podemos falar um bocadinho", mas adormeci a tarde toda e a parvoíce passou.

Voltei a ficar melhor e o fim-de-semana foi bem bom, praia (sim, tenho ido à praia com outras pessoas e DISPO-ME - fico de bikini, atençao........não exageremos, sim?), explicações, saídas com o pessoal...

Como seria de esperar da minha pessoa, a coisa não demorou muito a complicar outra vez e na segunda-feira irritei-me. Porquê? Porque tinha aumentado 200grs (lol?) e na próxima consulta (na 5ª feira dessa semana) não teria menos peso. Logo, teria de passar fome 3ª e 4ª e só na 5ª depois da consulta poderia voltar a comer. Felizmente (ou não) caí à terra e apercebi-me da estupidez que isso seria. Então, eis o que resolvi fazer: enviei NOVAMENTE mensagem à psicóloga a contar este pensamento ilógico e que tinha decidido terminar as consultas, porque achava que estes objectivos que imponho em mim própria são estúpidos e que queria terminar com eles. Disse tb que tinha pensado nao aparecer na próxima consulta, mas que seria melhor ir, para "discutirmos" melhor o assunto e porque queria fazer tudo direitinho, sem parvoíces. Obviamente, ela nao respondeu.
Como afinal já ia à consulta, "tenho de perder peso", mas como iria ser a última "posso comer, nao preciso de não comer". Pensamento ridiculamente estúpido. I know.

Que pretendia eu com o "abandonar" as consultas? Bem, eu estava mesmo confiante que o facto de não ter que tomasse atenção e desse importancia ao meu peso me iria, de facto, fazer-me pensar "para quê perder peso?" Juro que meti mesmo na cabeça que elas, embora dissessem que preferiam que continuasse a ser seguida, iriam compreender e me iriam dar orientações sobre como me desenrascar sozinha. Imaginei também que se a coisa corresse mal, teria sempre a porta aberta para regressar. Por outras palavras, imaginei um conto de fadas, o melhor que sei fazer.

No entantoooooooooooooo, não foi bem isso que aconteceu.... nem nada que se pareça lol
Cheguei ao santa maria e fui pesada. 44.900, ou seja, menos meio kilo que a última consulta (semana anterior). Enervei-me um bocadinho (porque perdi peso, logo iria levar nas orelhas), mas pensei "objectivo cumprido".
Psiquiatra chama. Entro e tenho 3 pessoas à minha frente: ela e mais dois estagiários "FANTÁSTICO! É QUE PRECISAVA MESMO DISTO, HOJE!). Mas, como sempre, sorri e disse que não me importava com a presença deles (odeio quando isto acontece, mas compreendo que é necessário para que outras pessoas possam ser tratadas, daí aceitar).
E a pior consulta de sempre começou. "Então, Inês, que queres fazer?" Não consegui explicar o meu ponto de vista. Ela ficou fula porque enviei a tal mensagem à psicóloga e acha que simplesmente quero desistir de tudo e jogar 6 anos para o lixo. Irritou-se, irritei-me e acabei por assinar um papel a dizer que me responsabilizo por mim propria e que nao pretendo continuar com as consultas, mesmo contra parecer médico. " E pretendes parar com a medicação?" eu nao pretendia, mas como fiquei irritada, agi como melhor sei (pita mimada e fútil) e disse que sim. "Vou ligar à 'psicóloga' " Liga-lhe e diz que desisto das consultas, que assinei o papel e que "ela ainda deve passar por aí, nem que seja para se despedir de ti". Pensamento: ENTAO??? MAS NEM TENHO DIREITO A CONSULTA COM A PSICOLOGA???? EU NAO KERIA PARAR COM ESTAS, MUITO MENOS ASSIM DESTA MANEIRA, E AINDA ME DIZES QUE NAO TENHO CONSULTA COM A PSICOLOGA???? ATAO PRUMÓDKÉM???
Levantamo-nos as duas, beijinhos e sorrisos (sonsos) de ambas as partes e saí.
Fui para a rua, e a S. liga-me. Choro enquanto falo com ela "Vou sair do trabalho mais cedo e vou para aí. Quando fores para Faro, volto para cá". Liguei ao F. e voltei a chorar e com o mesmo discurso "Ela não percebeu nada!"; "Que se lixe, não preciso delas para nada"; "ela desistiu, mas azar" e por aí fora.

A muita insistência da S., la consegui arranjar coragem para ir à consulta com a psicóloga com o pensamento "NAO VOU CHORAR, NAO VOU CHORAR NAO VOU CHORAR" E consegui conter-me nos primeiros momentos. Mas depois... Meu Deus, nunca chorei tanto na minha vida. lol. Fiquei uns booooooooons momentos a soluçar feito parva e a dizer "nao consigo parar de chorar!" (se é k ela percebeu alguma coisa do k eu disse LOOOL)
Quando acalmei chutei um "acho que já está", ao que ela respondeu "Já? Eu estou aqui..." e fez-me uma festa na perna. Pronto. E abriu.se a torneira mais uns boooons minutos LOL
Bem, basicamente ela disse que achavam que eu achava que (belo português) elas são as culpadas por eu estar doente............. nem vou comentar...
Marcámos consulta para dia 18, onde direi se pretendo terminar ou continuar.

Ah, o momento mais marcante da sessão "mais do que o problema alimentar, tens uma disfunção da personalidade gravíssima (...)". O meu pensamento imediato foi "TENHO O QUÊ??? QUAL DELAS??? PORQUE DIZ ISSO?" Mas fiquei quietinha no meu canto, com medo de dizer bosta.
Na viagem de regresso, vim a tentar relembrar quais sao as perturbações da personalidade que existem, mas nenhuma das poucas que me lembrei me parecia adequar-se ao meu caso.
Cheguei a casa e, depois do drama que foi ter de contar aos pais (que me iam comendo viva) o que se passou nas consultas, fui a fugir ler o dsm (manual com todas as psicopatologias, tenho-o pq estou a tirar licenciatura em psicologia) e descobri uma que se adequava a mim "estado-limite". Na altura até nao mexeu muito comigo, porque não me caiu a ficha logo. No dia a seguir é que, ao falar ao telm com a mãe t. (esteve internada cmg uma vez) ela relembrou-me que a tinham diagnosticado com borderline e perguntou se nao tinha nada a ver com a estado-limite. "Nãaaaaao!!! Nada a ver", respondi logo eu.
Maaaaaaaaas, depois de desligar, comecei a pensar e achei que era a mesma coisa. lol. Vim à net confirmar e voilà. Auto-diagnostiquei-me com borderline. YEYYYYYYYYYYY!!!!!!

Desde então, passo os dias a chorar (l-o-l) porque "eu, borderline????? QUE HORROR!!! SOU LOUCA!!!!!!" (atençao que conheco 2 pessoas diagnosticadas com borderline e nao as considero loucas... mas pronto... EU sou diferente... EU sou louca... EU sou... egocentrica LOL)
E além de chorar, tenho enfardado como se nao houvesse amanha.
Dia 18 vou confirmar com a psicóloga se sou border ou nao. Mas tenho quase a certeza que sim.
Vou fazer um post sobre esta psicopatologia, em vez de a descrever aqui, porque isto está a ficar estupidamente grande.

Por agora já chega de novidades. Amanhã (ou quando o pc deixar) há mais.
Beijinhos a tod@s! Vou tentar passar nos vossos cantinhos, mas não prometo que o pc deixe... *********

2 comentários:

Joana disse...

Inês eu li tudo o que escreveste com muita atenção. Não me parece que sejas borderline, tal como eu não sou evitante ou obsessiva-compulsiva. O problema é que quando lemos essas coisas (neste caso específico, as perturbações da personalidade, que eu também conheço) nos parece sempre que temos alguma ;)

A sério, eu tenho amigos que acharam que eram demonstrativos, ou narcísicos... E no fundo não passamos todos de pessoas normais, com defeitos, com qualidades, com manias parvas e com traços.

Eu não conheço o suficiente da tua relação com a psiquiatra e a psicóloga nem da personalidade delas para argumentar, mas a mim parece-me que há aí uma qualquer disfunção. Ou seja, é estranho estares bem até ires à consulta, e de repente as coisas descambarem completamente. Acho que as consultas são para ti fonte de ansiedade e não sei se neste momento te ajudam. Mas também acho que tens todo o interesse em ser seguida, porque precisas de alguém que te controle enquanto não estás curada.

Agora o meu conselho é que faças ouvidinhos mouquinhos a certas coisas ;) E pára de pensar demasiado rapariga, a vida é tão simples se não a complicares ;) Acho que te sentiste atacada (mau da parte da médica, que não devia ter feito isso) e reagiste (mau da tua parte, porque a reacção imediata à ameaça regra geral não é a mais correcta). Por isso agora pensa no assunto com mais calma, fala com os teus pais e faz o que achares que é melhor para ti.

E da próxima vez que vieres a Lisboa avisa, gostava que nos encontrássemos :) (agora sou a monstra dos encontros, quero encontrar-me com toda a gente) xD

Muitos beijinhos, e estou aqui para o que precisares :D

Luah disse...

bem, à que tempos! xD

E que post cheio de informação nova! Realmente não podes desaparecer assim tanto tempo, que ficamos todas com saudades da menina! :)

Olha, tenhas o que tiveres e eu acho que não te devias focar num nome, numa doença, porque não és a doença, és uma pessoa que neste momento simplesmente não está bem. é por isso que quando exercer psicologia não vou referir nomes, pk embora se pense que tranquiliza saber o q se tem, não funciona com toda a gente. a atitude da psiquiatra é lamentável...ainda bem que já paraste as consultas. a psicologa parece estar a querer mesmo ajudar-te, e espero que aproveites bem isso. :)

é assim, comigo ja disseram que sou ansioda, deprimida, e até que adoptei um perfil de vitima (que leva os agressores a verem-me como vitima) e portanto eu acabei por ser culpada do bullying que sofri. achas que estes estatutos me ajudaram a viver ate agora? :s nap...mais valia terem-me ajudado e não me etiquetarem. percebes? Não ligues a isso, pensa num dia de cada vez. ****