quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Não ler, demasiado deprimente.

Se tivesse vindo dar notícias ontem, teria escrito um post completamente alegre e cheio de florzinhas e pirilampos sintilates e fofinhos.
Mas não tive tempo. E hoje já não me sinto tão bem. Estava bem. Acho eu. Mas neste preciso momento a cabeça pende para o lado mais pessimista que habita em mim (mas que só vocês conhecem). Estou gorda. Andei a distribuir curriculos, mas não quero trabalhar. Não é que não queira trabalhar, não quero é fazer nada. Não quero estudar, não quero fazer vida com ninguém, não quero viver aqui, não quero viver em lado nenhum, com ninguém em especial, não quero nada. Só o meu botão "off".

Foda-se, estou gorda. Ontem não estava. Esta tarde não estava. Mas agora estou.
Arrisco-me a dizer que quero morrer. Aliás, mentira. Quero apenas não viver.

Ontem fui com a mãe ao hospital (rotina) e levantei-me às 7h da manhã para a ir levar e fazer companhia. Deixei pai no escritório, mãe no hospital e fui estacionar. Quando lá cheguei (ao pé da mãe) encontrei a profª Helena na fila também. Aliás, ela é que me viu. Fez uma grande festa (tendo em conta que mal se conseguia mexer, foi uma grande festa). Beijinho para cá, beijinho para lá. Ficaram as duas (mãe e prof) a relatar experiências dos internamentos nos cuidados intensivos. Quando a mãe se despaxou, esperámos pela profª para a acompanhar à saída e dar uma beijoca de força.
Depois fomos (eu e mãe) beber café e jogar conversa fora enquanto se fazia tempo para a consulta.
Já à porta do gabinete da médica espanhola-que-não-se-percebe-mas-é-muito-atenciosa passou por nós quem?? Uma prof minha de inglês no 7º/8º ano, com quem, volta e meia, vou ao café. Ela sabe das minhas neuras e, mal me viu mandou um "MACAQUINHA!!! COMO ESTÁS??? FEIA DE GORDA, COMO SEMPRE!!! ESTÁS TÃO GORDA, MULHER!!" E eu? "Pois, sempre gorda!" *sorriso gigante*
Não, não levei a mal. E não, não fiquei com neuras. Ela é muito querida e não o disse com intenção de me magoar. Muito pelo contrário.

Depois da consulta lá fui para casa (já vos disse que sou super mesquinha para estacionar o carro?? Tem de ficar super direito e nem muito afastado nem muito encostado ao passeio. Normalmente acerto à 1ª, mas se estiver alguém comigo ou a ver, jesus! Adiante...) tomar banho e despachar. Tive com a sô dona Helena, a minha gerente quando trabalhava na papelaria fernandes (2008 a 2010, saí porque fechou). Damo-nos as duas muitíssimo bem (eu acho que já vos falei dela... ah, ja ja! aqui). Fomos cafezar e mais tarde apareceu o meu velhote. Parece-me que se deram bem :)

Entretanto, a fome falou mais alto e almoçámos no mctostas. Uma tosta de frango com alho giganteeeee. "Quanta gordura!!! Bem, que se lixe. Saboreia, Inês!". Seguiu-se uma ida a Olhão para um gelado de 4 bolas (dividido pelos dois). Lá pelas 5h chegámos finalmente a casa (dele). Ele andou para lá a tratar do sistema de rega e aproveitei para dar um toque feminino à casa.
Depois seguiu-se dose de namoro; depois séries (terminamos californication e começamos o dexter). Lanche (doses industriais de gelado); ida ao modelo para comprar comida; fazer jantar (pela primeira vez apercebi-me que não faço ideia das calorias das coisas que ele costuma, mas nem me atrevo a ir investigar. Porque não faz sentido (lol) e não quero enlouquecer outra vez, já chega); jantar (pão, tomate, batatas fritas, queijo; outro queijo, coisas-estranhas, espinafres e sei lá mais o quê).
"Queres mesmo que eu engorde ahahaha"    "Pois quero! Não é esse o objectivo? Engordares?"
"Anda cá, minha gordinha"
"Devias tomar suplementos vitamínicos"
 "Tens de deixar de fumar, vais ver que engordas logo!"
"Essas calças fazem-te mais magra... Ainda há bocado, quando vestiste os calções, as tuas perninhas pareciam-me mais cheinhas... por isso é que fiquei 'todo contente' hehehehe"

Não, ele não é parvo. Ele tenta compreender. Eu é que não deixo. Não sei bem porquê... bah, sei sim. Porque se ele nunca tiver de perceber, seria sinal de que eu já teria ultrapassado esta porcaria. Eu quero tanto, meu Deus! Quero tanto terminar com esta porcaria que me vai cá dentro!!! Então porque não consigoooooooooooooooo???

Hoje mesmo disse ao Filipe (estive com ele, sim) que não me importava de ficar com este corpo mas ter menos peso. Ou seja, não gosto de me ver mais magra que isto. Vá, gosto, mas não gosto. Fico horrível e quando gosto de ficar horrível é sinal que estou um caco por dentro. E neste momento até gostava de ter mais rabo (mas tonificado, please), peito e até pernas (NÃO MUITO MAIS, PLEASE!! As pernas são a parte do meu corpo que mais odeio. O que é muito engraçado, porque há muita gente que as elogia. Ou elogiava, vá. Se calhar o meu problema começou aí, não sei.
Ah, e queria engordar aqui nos ombros e na cara. Pareço um zombie em algumas fotos, credo. Mas por outro lado, chegar aos 47 tem-me posto em pânico. é muito próximo dos 48 (peso mínimo aconselhável para mim) e isso deixa-me em pânico.

Não sei ao certo qual é o meu medo, mas acredito que seja o medo de deixar a psicologa. Já disse isso mil e quinhentas vezes aqui, mas nunca é demais falar nisso, pode ser que me ajude a superar o medo de uma vez por todas. Tenho tanto, tanto medo de a deixar, meu deus... que estupidez. Vá, estupidez não é, mas até certo ponto! Agora já se começa a tornar enfadonho e, quem sabe, até infantil. Foi ela a 1ª pessoa que me pareceu realmente interessar-se pelo meu bem-estar (isto parece egoísmo, maria Inês... os teus pais amam-te! Mas é um bem-estar diferente, não sei explicar muito bem.) Eu estava em pânico desde criança e nunca ninguém percebeu. Toda a gente cai nas minhas armadilhas, incluindo eu. Mas ela não.
Sim. Eu sei que é o trabalho dela, que eu sou apenas mais uma paciente (isto parece frio, mas é a verdade, é preciso admiti-lo. E não é frio.)  mas nem é tanto o ela se esquecer de mim (que gostava que não acontecesse, mas não é o fim do mundo se acontecer. além de que acredito que nunca aconteça, a não ser que ela tenha uma lesão qualquer no cérebro lol), é mais o eu não ter aquela bengala ao meu lado a "tempo inteiro". É o ter de voltar a enfrentar tudo "sozinha". Não acredito que seja capaz de o fazer. Tenho um medo de morte de voltar a cair. "Entras em contacto com ela que ela recebe-te". Yeah, right. Então e eu nessas alturas consigo lá perceber que preciso dela outra vez? E chegar lá e dizer o quê? "Olhe, sabe aquelas 6 anos de psicoterapia? Não serviram de nada, porque estou cá outra vez".

Bah. Chega de escrever. Estou (momentaneamente) deprimida, não sei porquê, mas incomoda-me. Se poderia sair de casa ou ligar a alguem? Podia. Mas deprimir em casa e ficar a lamentar que sou uma merda é muito mais divertido. E ia resultar? Provavelmente sim, porque ia ter com alguem que me iria fazer sentir bem (quase toda a gente que me faça rir ou sentir útil lol), chegaria a casa bem disposta e feliz da vida. Então porque não vou? Porque posso vir ainda pior e depois isto deixa de ser momentaneo. E isso é assustador. Então vou-me manter aqui quietinha e amanhã logo me tento alegrar. Hoje não tenho forças para  lutar. Há dias assim.

Mas é só hoje. Amanhã volto a lutar. Apenas preciso um dia de folga, estou cansada.
Vou fumar e ouvir música deprimente até adormecer.
(ca nojo de mim mesma lol)
*fui*

p.s. não vou reler o post. Lamento eventuais frases sem sentido e erros ortográficos.
p.s.s acabei de receber sms do velhote " vejo-te logo?" "sim :)" lol senti-me culpada por não ter estado com ele hoje (fugi)
p.s.s. descobri que se me pesar subindo primeiro com a perna esquerda peso menos do que se subir primeiro com a direita. Diferença de 1kg. ODEIO A MINHA BALANÇA!

2 comentários:

Milita* disse...

o titulo deu-me ainda mais vontade de ler!

Epah, tu consegues ser tão divertida! Estavas deprimida mas havia sempre uma parte de ti realista!

Mas, há dias assim!

Eu tbm tive "medo de perder" a psicóloga! mas é como dizes, é medo é de enfrentar td sozinha...

Força!

disse...

Eu percebo perfeitamente o teu medo...cm será a minha vida completamente sem isto (se é q é possivel) ou como é q será se acharem q eu ja tou bem para ir a minha vida e eu n me sentir bem e ja n ter a psicologa pa nos dizer as coisas boas e más, pa dar colo e dar na cabeça? como é q vai ser??
estamos a prender a vaca da doença por medo do que seremos nós sem ela mesmo desejando c toda a força sermos nós-sem-ela... Arrisca Inês!!n vai ser pior, n vai! vamos dar cabo desta merda e que num dos próximos cafés estaremos juntas a rir das nossas neuroses!