quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Natal e passagem de ano

No fim-de-semana antes do natal fui para a nossa casita do campo ajudar a adiantar as comidas e as limpezas. Apesar da trabalheira, adorei. 
Tive também a experiência de ficar alone com 1 criança de 6 meses, uma de 6 anos e um de 11 e dois cães. Tirando o momento caótico em que a bebé berrava de fome enquanto os outros dois miúdos corriam pela casa aos gritos porque brincavam com os cães que resolviam ladrar, a coisa até correu bem. lol agora até tem piada, mas na altura só me apetecia gritar. Pus a de 6 anos a ver bonecos, o de 11 a ler banda desenhada e alimentei a pequenita. Quando o resto dos adultos chegou, estava a pequena de barriga cheia e a adormecer nos meu braços e  os outros dois muito sossegadinhos. "Até tens jeitinho!"

Dia 23 à noite, o rapaz foi buscar-me e viemos para Faro. 
Dia 24 terminei o xaile da avó do rapaz, dei beijo de Natal à Mariana, fui ao cabeleireiro (cortei, pintei e fiz hidratação) e fui maquilhada. 
Antes do jantar, fomos distribuir beijinhos e prendas a tios, avós e pai do meu rapaz. Chegámos à casa da tia dele por volta das 9h. Não gostei mesmo nada de ter "abandonado" a minha família para ir para aquele ambiente. Não esperaram por nós para jantar (o conceito principal do natal nao é o reunir a familia?!?!), não nos convidaram para ir à missa com eles e ficamos até à meia-noite a olhar para a tv. Aliás, fiquei eu e o tio dele, porque os 4 velhos e o rapaz adormeceram. Nunca mais. Quanto não vale o amor e a alegria da minha família... para o ano o rapaz ou vai sozinho ou entao vem comigo. Eu para lá não vou.
Dia 25 almoçámos e jantámos na minha casita do campo. Família reunida, boa disposição, isso sim ´natal. 
Dia 26 a mãe foi internada no hospital, o coração estava a 35% e a retenção de líquidos (devido à medicação) estavam a "sufocar" o pulmão. Teve alta dia 31 às 20h. 
A passagem de ano foi maravilhosa. Atrasámo-nos para ver o fogo de artificio, começou a chover, quando chegámos lá, não vimos nada por causa das árvores e aquilo estava avariado, ia um foguete agora, outro "meia hora" depois. Mas a minha mãe estava em casa e a comida que fiz estava comestível (conchinhas de camarão, bacalhau à gomes de sá, rolo de carne em massa folhada feita pelo rapaz e pelo meu pai, bolo de amêndoa e gila, pavé e arroz doce). A mãe elogiou a trabalheira que tive (eu tinha esperanças que ela iria passar connosco a passagem de ano) e sinto que tem orgulho na filha que tem. 
Mais tarde, o rapaz saiu do trabalho (perto das 2h) e foi jantar lá em casa. A minha mãe e o meu pai, embora exaustos, insistiram em fazer companhia). 
Dia de ano novo fomos os mesmos a almoçar: pai, mae, eu, rapaz, andré e namorada (o sermos 6 deixa os meus pais felicissimos e cheios de esperança no futuro).

O rapaz está a fazer grandes progressos nesta relação e acredito que até o ame. Começo a sentir saudades ridiculas só porque não o vejo faz umas horas e quando estou com ele não o consigo largar. Imagino como será a nossa vida juntos e acredito que isto irá resultar. Até agora ninguém me deu a entender que ele não presta ou que não será um bom partido. A única que parece ter dúvidas sou eu. Mas essas dúvidas são cada vez menores. Quero estar com ele e já não me irrita receber tanta mensagem. Pelo contrário. 
Acredito que toda aquela desconfiança que tinha (e ainda tenho alguma) e aquela "indiferença" que eu demonstrava seria apenas uma espécie de mecanismo de defesa, "se eu for fria e indiferente, não sofrerei caso ele não seja o que penso". A conversa com a nossa amiga sara e com a irmã da mariana fizeram-me destrancar o coração e começar a sentir. E, sinceramente, ele é fantástico. Sim, continua a dizer coisas sem sentido assim do nada; sim, continua sem se saber vestir muito bem; sim, continua com os dentes estranhos; sim, continua com um andar ainda mais estranho... mas agora, quando diz coisas sem sentido já me faz rir e brincar com ele; já tem mais cuidado na forma como se veste (nao, eu nao o fiz mudar de estilo nem ele mudou); os dentes não sao assim taaaaaaaaaaaao maus; esforça-se em andar mais direito e quando nao anda, brinco e rimo-nos dele :P 
Sim, sou exigente, sim, talvez exagere nas críticas. Mas o medo é uma coisa difícil de controlar. 

Progressos. Vejo progressos na minha vida. 
Quanto à alimentação, normal. 47.6. 
Passei a estatística.
Pedi à psicóloga para não ir lá este mês (nao respondeu ainda).
Fiz 6 meses de namoro.
Amo a minha vida e o futuro que imagino.
Aprendi que amo incondicionalmente os meus pais e que estarão sempre à frente de tudo e de todos. 
Anseio por arranjar emprego, viver com o rapaz, ser mãe, voltar a ter um irmão e compensar os meus pais por tudo o que fizeram por mim.

Atrevo-me a dizer ainda, anseio pelo dia da minha alta do santa maria :)
Beijinhos e abraços