terça-feira, 14 de maio de 2013

Amor, raiva e afins

Não consigo perceber como me sinto. Num só dia passo por várias fases, desde irritação, boa disposição, tristeza... isso incomoda, mas também nao é o fim do mundo.

O meu rapaz começa a trabalhar na charneca 3ª feira. Vamos para cima no sábado, festejamos o aniversário dele (domingo) lá e volto na segunda para faro. Sozinha. E isto tem-me deixado bastante assustada. Por outro lado, até pode ser bom sinal... sinal que gosto realmente dele e que quando tenho dúvidas é porque sou parva (ou não, porque toda a gente tem dúvidas).

Imaginar os meus dias sem ele é... deprimente lol farto-me de choramingar sozinha e tenho a cabeça cheia de filmes e dramas tipicamente meus. Pesadelos então, nem se fala! Neles, já fui traída mil e quinhentas vezes, de mil e quinhentas formas. Também já o matei em sonhos, acordando em baba e ranho (leia-se que sonho que morre, não que eu o mato lol).
Ora isto tem sido nestes últimos dias. Ele nem se deve ter apercebido, mas sinto uma vontade enorme de o abraçar e ser pegajosa quando estou com ele. Evito ao máximo ser chata, mas tento também saciar esta vontade maluca. Por outro lado, ele anda mais frio. Ou então eu é que estou tão carente e melosa que qualquer coisa que ele diga menos romantica eu fico toda entristecida. Não na frente dele, lá está, evito ser chata, tenho medo de ser chata e irritante.

Tenho medo. Tenho medo que ele não aguente a solidão e procure algo por fora. Esse é o meu maior medo. Tenho também medo que, uma vez longe da "chata", se esqueça de picar o dedo e dar insulina várias vezes ao dia. E que se esqueça do comprimido da manhã e do comprimido da noite. E que se esqueça de comprar fitas, porque volta e meia esquece-se e depois não pode picar o dedo. Tenho medo que se esqueça ou aborreça de pôr creme e de tratar dos pés, que são muito importantes para um diabético. Tenho medo que se sinta só e por isso gaste dinheiro em demasia, sem pensar no futuro, sem pensar em nós e na nossa casinha. Tenho medo que tente decorar a casa LOL (é um medo que não é medo... foi só para me rir um bocadinho lol)

Enfim. Tenho medo. Tenho medo porque agora finalmente percebi o quanto gosto dele e o quanto vou sentir falta da falta de romantismo :p
Não... ele é romantico, sim... só que é... homem! E eu sou uma mulher bem piegas... evito demonstrá-lo, mas sou. E isso não posso mudar.

Ainda ele aqui está e já sinto saudades. Enfim.

Anda toda a gente irritadiça, por estes lados. Não há grandes discussões, mas sente-se irritabilidade entre todos. É normal. É chato comó cacete, mas é compreensível.

Tópicos:
Estudo: Zero por cento. E começo a ficar irritada com tanta gente a mandar vir por causa disso. Farta de escola, quero trabalhar e ter a minha vida. Estou farta de estar dependente.
Peso: No outro dia passei-me com os 46.500, era suposto ter aumentado e nada. Hoje pesei-me (porque a nossa sarita perguntou se já tinha conseguido aumentar) e deu 46.100. Irritei-me ao início, depois percebi que ontem não comi bolos, nem gelados, nem nada assim muito calórico. É ridículo perder peso só porque não comi porcarias, mas ok. Os iogurtes já são de 197kcal (acabei de ver, garanto que não sabia), escolho fruta mais calórica, eu sei la.
Sim, irrito-me e preocupo-me ver o peso descer ou não subir. Porquê? Porque a ideia de gostar e querer mais é demasiado assustadora. Tenho medo de adoecer, tenho medo de voltar atrás e repetir tudo outra vez. Tenho medo de mais desgraças, sinto-me cansada de tanta porcaria. Quero ser mulher, quero ter a minha casa, decorada com o meu gosto e o do meu rapaz. Quero que tudo lá dentro seja fruto do nosso esforço, não quero mais grandiosidades vindas dos meus pais. Não quero mais que me joguem em cara tudo o que me dão, chega. A última que ouvi foi "por causa da tua doença não pude dar atenção aos meus pais... e agora o meu pai morreu". Mas não é só comigo que ela faz isso. É com toda a gente que ama. O que ainda magoa mais, certamente. Ainda no outro dia jogou em cara ao meu irmão e à minha cunhada que nunca os deveria ter ajudado a mudar de casa. Porquê? Porque eles decidiram não ter um filho que não podem sustentar (só há um ordenado e ainda estão a pagar as coisas que comprar para a casa). Os meus pais amuaram porque ELES podem sustentar o neto. Mas digam-me vocês, seriam capazes de ter um filho mas que a sobrevivência dele dependesse de outra pessoa que não vocês? Eu não sei o que faria. Mas certamente não iria gostar nada de não ter o apoio dos meus pais, tomasse eu a decisão que tomasse.

Mas isto agora não vem ao acaso. Estava eu a dizer, por outra palavras: quero sair daqui e viver com este homem que tanta saudade me faz sentir, mesmo ainda sem ter abalado...
lol se ele lêsse isto ia-me achar uma piegas desmarcada :P
naaa... ia.me abraçar, dar um beijinho bem doce e diria "parvinha... eu sou só teu... doida".
É. Decididamente, eu amo esta pessoa.






1 comentário:

Be(e)Free disse...

Tu nunca abortarias lol.
Já eu, conhecendo-me como conheço, talvez nao fosse forte o suficiente para me safar sozinha...com o apoio da familia sim, sozinha não. E isso é uma coisa que me enoja.

Quanto a ti e ao moço, ainda bem por tudo. Acho que esse medo é normal..e tb é normal que tenhas medo de ser chata, I guess. Não te ponhas é com desconfianças infundadas que isso mina-te por dentro!!! :p

Quanto à fac, acaba o curso, «cacete». Acabaaaa. Estuda..se queres ter a stuas coisas, é mt mais fácil que as tenhas se fores licenciada (probabilidades de emprego aumentam mais de 50%).

És linda!!!! Tenho saudadecas snif ahah