quarta-feira, 28 de agosto de 2013

:D

O meu objectivo de ter mínimo de 48 até ao final do ano parece-lhe ilusório, porque não o posso controlar. Percebo o que quer dizer, que não é por decidir que vou estar bem até ao final do ano que isso irá acontecer e sim falando sobre os medos e tentado encontrar alternativas e blá blá blá. Mas uma coisa que eu posso mesmo controlar é o que como e o aumento ou não do peso, não? E eu quero mesmo dar um fim a esta história de uma vez por todas. Sem pressas, fantasias ou parvoíces, claro. Isto já não me faz sentido (faz, mas não faz) e já estou cansada. É verdade que sinto um medo enorme do que aí vem, do desconhecido, e a alta apavora-me. Mas já me sinto capaz de enfrentar esse medo, pelo menos é o que sinto. Já me sinto ridícula por certas atitudes e por certos pensamentos que tenho, já não faz sentido!
O medo é gigante, mas não é mais forte que eu. Mais forte que esse medo é o sentimento de tristeza por todos os anos que desperdicei, as festas que perdi, a juventude que mal me permiti ter, os desgostos que dei e a dor que provoquei, quer a quem me ama quer a mim mesma.
Já chega, cheguei ao ponto de viragem. É desta. :)

p.s. 46.7

2 comentários:

Milita* disse...

vai ser, minha querida :D

Milita* disse...

por acaso até foi, Pypoka. Acho que ela não quis dar-lhe muita importância ou pelo menos foi o que me pareceu. Não deu para falar do que realmente me preocupa. Não por ela não querer mas por eu não me expressar e não querer falar. Quero mostrar que as coisas estão bem. As coisas não, eu! Porque como ela disse "as coisas (em casa) nunca estão bem, não é?" e eu respondi "pois... e o que eu faço é afastar-me e não dar importância (que é a verdade!)" Enfim, a dose de medicação não diminuiu... e a alta não se prevê para breve :/